Por Renata Leal

Há alguns anos, eu estava conversando com um amigo sobre investimentos. Naquele momento, tudo que eu tinha estava concentrado em um banco grande. Eu tinha alguma coisa de reserva de emergência na poupança, alguns fundos de investimentos e três planos de previdência privada. Comecei a guardar dinheiro para a previdência ainda antes de 25 anos. Pois esse amigo me provocou: “quantas horas por mês você trabalha?” “Sei lá, umas 200”, respondi. Jornalistas constantemente trabalham muito mais horas por mês do que regem as nossas leis trabalhistas. “Analise seu esforço para o salário que você tem e seu esforço para aumentar a rentabilidade com os seus investimentos. Veja se é compatível”, ele me disse.

Essa provocação deixou meu cérebro a mil. Depois de fazer essas contas, percebi que eu estava cuidando muito mal do dinheiro que eu já tinha conseguido poupar em uns dez anos de trabalho. E decidi que era hora de começar a investir de verdade. Poupança e investimento têm uma diferença enorme.

Então, como começar a investir mesmo? Fui atrás de estudar. Comecei a passar meus domingos lendo sobre tudo que eu podia de investimentos. Fui descobrir como funciona o Tesouro Direto, por que os CDBs de bancos pequenos pagam mais, o que são as debêntures, qual é a diferença entre os fundos de investimentos. Foram horas e mais horas estudando, lendo livros, vendo vídeos. Por isso, o primeiro passo para começar a investir é se informar. Assim você vai conseguir ter segurança para virar a chave mental do poupar para o investir e começar a fazer o dinheiro trabalhar sozinho.

Infelizmente, o número de investidores no Brasil ainda é baixo. Na verdade, 56% das pessoas não têm qualquer dinheiro guardado, seja para o agora ou para a velhice. Em tempos de reforma da previdência, isso é ainda mais assustador. Entre os que guardam, quase 90% usam a boa e velha (e nada lucrativa) poupança.
Se você está no grupo que não guarda nada, comece de alguma forma. Pra ontem! Se você está no grupo da poupança, busque conhecimento para mudar. Dá trabalho? Um pouco sim. Não vou dizer que não dá. Mas o resultado compensa muito.

Leia mais:

Como organizar seu orçamento: a regra do 50-30-20

Quanto custam os seus sonhos?

Educação financeira começa na infância – para meninas e meninos

Investimento feminino: mais foco em propósito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *