Por Renata Leal

Muita gente me pergunta como fazer o orçamento render o mês todo para conseguir começar a guardar dinheiro. Se você está nesse grupo, gosto de dar uma dica que funciona comigo. Assim que você receber o maior valor no mês, que geralmente é o salário ou o pró-labore, separe o que quer guardar. Pague a você mesma(o) o seu investimento. Pode ser 1% do valor recebido, mas esse gesto é importante para criar o hábito. Se você deixa para o final do mês, a chance de não sobrar nada aumenta bastante.

Comigo funciona bem assim, mas também conheço pessoas muito disciplinadas e com o orçamento mais folgado que preferem chegar ao fim do mês e guardar tudo que está na conta antes de receber o próximo salário. É outra opção. O importante, seja qual for a sua escolha, é investir.

Investir é fazer o dinheiro trabalhar sozinho por você. E organizar o orçamento mensal é essencial para dar conta de tudo. Não existe mágica, infelizmente. Seus gastos precisam ser compatíveis com o que você ganha para acondicionar tudo que você quer realizar e comprar. E algo que pode soar até meio bobo, mas é necessário: por pior que esteja seu saldo na conta bancária, não deixe de abri-la com frequência. Digo isso porque já recebi participantes em workshops que têm tanta aversão (ou medo mesmo) de olhar o saldo que nem acessam a conta. E aí as dívidas naturalmente crescem muito mais que o esperado.

Uma boa medida – e uma sugestão usada por muitos especialistas em finanças para quem consegue viver sem entrar em dívidas pesadas – é a regra do 50-30-20, que funciona como uma indicação, um caminho a seguir. A ideia é que você destine 50% do salário para o essencial: contas fixas, alimentação dentro de casa, transporte, plano de saúde, custos de casa (aluguel, financiamento imobiliário, condomínio, IPTU) e outros custos obrigatórios no mês. Os outros 30% vão para o que não é fixo (e em tese pode ser cortado em caso de necessidade), como lazer, academia, cursos, alimentação fora de casa, aquela ida ao cinema, Netflix, Spotify, viagem etc. Diversão é importante e necessária para a nossa vida – e aqui algumas pessoas não vão concordar com as categorias de cada item. Pode ser que para você a academia entre no primeiro grupo e não no segundo. Finalmente os 20% restantes vão para o seu futuro, em especial para seus investimentos e previdência privada. É uma parcela importante do que você ganha. Pode ser que no seu orçamento mensal não seja possível destinar esses 20% ao futuro, mas tenha em mente que essa é uma boa meta.

A regra dos 50-30-20 não é fixa, mas uma referência mesmo. Em alguns meses pode ser que você fique em 70-20-10, em outros em 99-0-1. Cada um sabe o que pesa mais no orçamento e como contornar cada situação. Só tente – de verdade – guardar um pouco sempre. No futuro você agradecerá a si mesma.

Leia mais:

Quanto custam os seus sonhos?

Educação financeira começa na infância – para meninas e meninos

Investimento feminino: mais foco em propósito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *