Suzane G. Frutuoso

Jornalista, empreendedora e consultora de conteúdo e negócios, a paulista criada nas Minas Gerais Alice Salvo Sosnowski, 41 anos, é hoje um dos principais nomes do país quando se pensa no universo empreendedor. Criadora da metodologia O Pulo do Gato Empreendedor, ela lança em 15 de maio o livro Empreendedorismo Para Leigos (Editora Alta Books), na Livraria Martins Fontes da Avenida Paulista, em São Paulo. “Com uma linguagem acessível e didática, o objetivo principal é desmistificar o empreendedorismo e ajudar todos os públicos, independentemente da idade, da profissão ou interesse, a entender mais um tema tão fascinante quanto complexo”, diz Alice.

Também uma das idealizadoras da Rede Mulher Empreendedora (RME) e curadora da Virada Empreendedora, a especialista tem mais de 15 anos de mercado com trabalhos realizados para instituições como Sebrae, Portal Brasil, Fiesp, Insper e FGV-SP. Casada, mãe de Luana, 10 anos, formada em comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais, Alice deu uma breve pausa nos preparativos do lançamento para conceder entrevista à Mulheres Ágeis.

É seu primeiro livro?
Durante a faculdade fui coautora de um livro sobre a história de Belo Horizonte chamado “Folhas do Tempo”, em parceria com Fapemig e CNPq. Também fiz consultoria técnica e conteúdo para a coleção Faça Acontecer, lançado pela editora Alaúde em parceria com Avon. A coleção é formada por quatro manuais que abordam desde como ter ideias até planejar, divulgar e financiar o seu negócio.

Como surgiu a ideia do livro Empreendedorismo Para Leigos?
Fui convidada pela editora Alta Books para escrever esse livro de referência já que tenho uma ampla experiência no universo empreendedor. Estou envolvida com o tema há mais de 12 anos. Comecei na revista PC World escrevendo sobre tecnologia para pequenas e médias empresas. Fiz conteúdo de empreendedorismo e projetos para instituições como Portal Brasil, do Governo Federal, editora Abril, Diário do Comércio, Sebrae, Symnetics, Fiesp, Senac, Insper e FGV-SP, Anjos do Brasil, entre outros. Já atuei em várias frentes no empreendedorismo. Tanto como jornalista quanto como empresária, consultora, mentora e até jurada em competições de negócios, além de ministrar palestras por todo o país. O convite da editora foi um reconhecimento de credibilidade e uma honra sem tamanho.

Pode contar um pouco sobre o que os leitores vão encontrar?
Com uma linguagem acessível e didática, o objetivo principal é desmistificar o empreendedorismo e ajudar todos os públicos, independentemente da idade, da profissão ou interesse, a entender mais um tema tão fascinante quanto complexo. O livro aborda tanto a teoria quanto a prática. O leitor encontrará desde o surgimento do conceito e a história dos empreendedores pioneiros no Brasil e no mundo até as metodologias ágeis difundidas no Vale do Silício que ajudam o empreendedor a planejar e executar seu negócio.

Como está organizado?
Em seis partes que seguem a lógica do processo empreendedor: cultura empreendedora, comportamento empreendedor, empreendedorismo em ação, estruturação e diferenciais de uma empresa. Além da parte que simplifica as mais complexas questões relacionadas ao tema em dicas, filmes, livros, sites, canais inspiradores e ferramentas práticas para o leitor aprender cada vez mais sobre empreendedorismo.

Quando você diz que a obra é para pessoas leigas sobre o assunto significa que é mesmo para um público bem específico, que não tem nenhum conhecimento sobre empreendedorismo?
A obra é uma referência para quem quer se tornar um empresário ou um intraempreendedor de sucesso. A coleção Para Leigos, mundialmente conhecida como For Dummies, tem a missão de transformar o difícil em fácil, permitindo que pessoas em diferentes níveis de aprendizado possam alimentar sua busca pelo progresso pessoal ou profissional. A linguagem é simples e didática, ideal para quem está começando no empreendedorismo, precisa ter conhecimentos gerais e específicos sobre o tema, mas também para quem quer saber mais, se aprofundar no tema ou se reciclar.

O público é variado, então.
Fala com todos os públicos independentemente do conhecimento de mercado. O leitor pode ser tanto aquele indivíduo que acabou de se formar e considera o empreendedorismo uma opção de carreira, como aquele que já aposentou e decidiu empreender para complementar a renda. É uma obra voltada para quem tem vontade de empreender, mas ainda não conhece muito bem o assunto ou para aquele empresário que precisa de um gás, mas não aguenta ver tantos livros sobre o tema e nenhum didático e simples o suficiente para cativá-lo.

Você é uma das pioneiras no Brasil a falar sobre a importância do empreendedorismo. Quando e como você começou a se interessar pelo tema?
Comecei minha carreira como jornalista no jornal O Estado de S. Paulo. Lá, ajudei a criar a pioneira editoria Net Estado, que seria o embrião do Portal Estadão. Na onda das empresas pontocom, trabalhei na chegada da America Online ao Brasil e, em seguida, fui cobrir tecnologia para pequenas e médias empresas na revista PC World. E foi entrevistando empresários de todos os portes e naturezas de negócio que percebi o poder de realização destes indivíduos. A capacidade de tirar ideias do papel e transformar em grandes empresas ou projetos.

Quando você se tornou empreendedora?
Conhecendo todas essas histórias, fui picada pelo bichinho do empreendedorismo que me inseriu em um ambiente pra lá de inspirador. Logo depois, montei minha própria empresa, a Pulo do Gato Empreendedor, e em 2010 participei de um curso inédito para mulheres empreendedoras no Brasil chamado 10.000 Mulheres, ministrado pela Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

O que exatamente a inspirou para também empreender?
Tive a oportunidade de estudar, pesquisar e escrever sobre diversas histórias empreendedoras. Desde grandes empresários que faturam bilhões até empreendedores que começaram seu negócio por necessidade de sobrevivência e hoje estão crescendo e evoluindo. Todos eles me mostram que o empreendedorismo é um estilo de vida capaz de ser aprendido por quem deseja ser protagonista da sua própria história e também uma poderosa ferramenta de transformação pessoal.

O que é a metodologia O Pulo do Gato Empreendedor?
O Pulo do Gato nasceu em 2009 como um blog no qual escrevia sobre os desafios do empreendedorismo. Na época, eu já era uma empreendedora às voltas com assuntos de fluxo de caixa, gestão de contratos e questões jurídicas. Mas o instinto jornalístico sempre me fazia questionar: por que alguns empreendedores conseguem dar o pulo do gato enquanto outras pessoas passam a vida correndo atrás e não conseguem? Por que existem tantas pessoas querendo empreender seus sonhos e tão poucos casos de sucesso? Iniciei uma jornada investigativa: a de descobrir qual era o segredo de quem havia chegado lá, de quem havia dado o pulo do gato na vida! Resolvi perguntar diretamente aos realizadores. E, desde então, tive oportunidade de entrevistar mais de 200 empreendedores, especialistas e pensadores. Gente de peso como o fundador da Embraer Ozires Silva, o filósofo Mário Sérgio Cortella, o cientista Silvio Meira, fundador do Porto Digital, ou o empresário Carlos Wizard, um dos homens mais ricos do Brasil, além de figuras como Marcelo Cherto (especialista em franquias), Flávio Augusto da Silva (WiseUp), Rony Meisler (Reserva), Thái Quang Nghiã (Gooc), Facundo Guerra (Grupo Vegas), Ana Fontes (RME), João Kepler (Bossa Nova Investimentos) e muitos outros que me ajudaram a entender as razões do pulo do gato empreendedor.

Quais foram as conclusões dessas conversas?
Depois de muitos depoimentos analisados e conceitos compreendidos, as respostas revelaram padrões de comportamento que se transformaram na metodologia de educação empreendedora O Pulo do Gato Empreendedor© que desenvolve habilidades e soft skills que apóiam os empreendedores em suas conquistas e superações. A metodologia se apresenta na forma de seis princípios fundamentais: apaixone-se, faça, vislumbre, compartilhe, persista e transforme-se.

Pode explicar um pouco mais de cada princípio?
Tudo começa pelo coração – a paixão -, que é a motivação interna do empreendedor e que desperta a vontade de realizar algo que faça sentido. Mas este é apenas o primeiro passo. Para continuar a jornada é preciso vislumbrar, ou seja, visualizar o futuro e definir uma meta clara. Depois, é hora de colocar a mão na massa e fazer para atingir um objetivo. Em seguida, é necessário compartilhar. No mundo hiperconectado que vivemos hoje, não podemos desprezar o poder das redes e das interações sociais. A jornada empreendedora também é repleta de dificuldades e obstáculos. É quando a persistência entra em cena. O empreendedor precisa se manter em pé, enraizado em suas convicções para não sucumbir durante os percalços. E, por fim, a capacidade de transformação, que proporciona ao empreendedor o equilíbrio necessário para transformar o seu negócio e a si mesmo em algo de valor para a sociedade.

Quanto as entrevistas que você fez para o blog O Pulo do Gato contribuíram para o seu conhecimento sobre empreendedorismo e para o livro?
Contribuíram em tudo. Sempre tive muita humildade para aprender com todos, independentemente da origem, riqueza ou pensamento. A esse conhecimento aprendido se somaram as minhas próprias experiências empreendedoras, bem como métodos e ferramentas que tive a chance de conhecer e testar. E foi toda essa bagagem que transmiti para este livro, um compilado abrangente sobre os principais conceitos, práticas e reflexões do universo empreendedor.

Diria que estamos no melhor momento do país para empreender, no sentido de termos mais cursos, informações pela internet e mesmo redes de apoio sobre empreendedorismo do que no passado?
O contexto empreendedor brasileiro está crescendo rapidamente. Há 13 anos, quando abri minha empresa, não se falava tanto no assunto. Além do Sebrae, que já existe há 40 anos, poucos cursos e informações estavam disponíveis para o empreendedor iniciante. Hoje já podemos dizer que temos um ecossistema empreendedor bem mais desenvolvido. No entanto, é preciso saber usar e filtrar as informações disponíveis. Junto à facilidade vem a responsabilidade de saber escolher o que serve e o que é inútil. Por isso, sempre bato na mesma tecla de que o autoconhecimento é essencial para saber fazer escolhas e definir qual caminho seguir nesta jornada. O empreendedorismo é um universo sem fórmulas e manuais. É preciso saber se guiar com autonomia.

Do ponto de vista econômico, é um bom momento para começar?
Esta é uma pergunta difícil de responder. O fato é que mais uma vez estamos passando uma crise no Brasil, com índices alarmantes de desemprego e desesperança. A boa notícia é que, diferente das outras tantas crises que o Brasil já passou, existe um movimento empreendedor que vem crescendo e se consolidando. Temos algumas iniciativas louváveis como o Super Simples e o MEI, mas ainda faltam políticas públicas consistentes na área de tributos e investimentos. Além disso, um dos nossos maiores gargalos está na inovação. Infelizmente, o Brasil está muito atrasado nesse quesito. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) , apenas 11% dos empreendedores brasileiros iniciantes dizem que o produto ou serviço que oferecem é inovador, cerca de 90% dos novos negócios no Brasil são réplicas de negócios já existentes e apenas 10% das empresas criam novos mercados. Temos um longo caminho pela frente.

Nesses mais de 15 anos lidando com o tema, quais características você percebe serem comuns de empreendedores que conseguem consolidar seus negócios, fazê-los crescer?
Minha pesquisa com os maiores empreendedores brasileiros e também especialistas no tema mostra que todos os empreendedores de sucesso financeiro e que impactaram a sociedade desenvolveram características que vão muito além das competências técnicas exigidas no mundo empresarial. São habilidades como assertividade, flexibilidade, criatividade, persuasão, boa gestão do tempo, liderança, capacidade de ensinar, atitude positiva, empatia, pensamento crítico, trabalho em equipe e capacidade de enxergar além do que os outros veem, entre outros. Aí está o pulo do gato do empreendedor!

O que faz um negócio, definitivamente, dar errado?
Pesquisa do Sebrae indica que 60% das empresas fecham até o segundo ano de existência. O empreendedor brasileiro sempre enfrentou um cenário hostil no que diz respeito ao ambiente regulatório, à complexidade dos tributos e à dificuldade de acesso a financiamentos. Mas também minha experiência diz que umas das principais dificuldades do empreendedor está no desenvolvimento do autoconhecimento e das habilidades empreendedoras. Infelizmente, o nosso processo de educação não foca nessas soft skills. Nunca precisamos tanto do nosso lado mais humano como agora. É fundamental para o empreendedor desenvolver habilidades que nenhum robô ou máquina é capaz de imitar, como a capacidade de negociar, ser flexível, ter pensamento crítico, empatia e inteligência emocional. São elas que em última instância determinam o sucesso – ou o fracasso – de um empreendedor.

No caso do empreendedorismo feminino, as mulheres têm características diferentes à frente de um negócio?
As mulheres tem um jeito peculiar de tocar seus negócios. Elas são mais intuitivas, participativas, emocionais e, mais do que os homens, agregam e compartilham informações e experiências. Pesquisas internacionais indicam que empreendedoras mulheres causam um impacto econômico e social mais positivo. Isso porque, ao crescer, elas levam junto os familiares, a comunidade e a sociedade como um todo. Ou seja, o sucesso feminino é mais horizontal. Elas entram na jornada empreendedora não apenas por dinheiro, mas também por propósito, flexibilidade de horário e possibilidade de conciliar trabalho, filhos e casa.

Como você vê esse crescimento das redes de apoio empreendedor para mulheres e mães?
Em 2010, ao lado da amiga Ana Fontes, ajudei a criar a Rede Mulher Empreendedora, a primeira rede de apoio ao empreendedorismo feminino do Brasil. Depois dela, muitas outras redes foram criadas e se espalharam pelo país. Isso é muito positivo porque uma das coisas mais poderosas do empreendedorismo é a possibilidade de trocar experiências, dividir problemas e multiplicar soluções. No entanto, para que estas redes funcionem são necessários alguns valores importantes como boa vontade, confiança, transparência e colaborativismo. Ainda estamos aprendendo a lidar com esse novo paradigma e posso dizer que as mulheres e mães saem na frente neste quesito.

Outros livros que Alice recomenda:
Coleção Empreendedoras por Natureza
Volume 1: Ana Fontes, fundadora de Rede Mulher Empreendedora (RME) e Rosely Cruz, advogada da Neolaw e investidora-anjo
Volume 2: Adriana Barbosa, fundador da Feira Preta, e Tatiane Lobato, criadora da rede de lavanderias Magic Clean

Empreendedorismo Para Leigos, de Alice Salvo Sosnowski
Lançamento: 15 de maio
Editora: Alta Books
Preço: R$ 69,90
Evento de lançamento: https://www.facebook.com/events/148475805992590/
Site da editora:
www.altabooks.com.br/empreendedorismo-para-leigos.html
Para comprar:
https://bit.ly/2HbvzEQ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *