Por Renata Leal

Toda vez que participo de um evento ou uma palestra, essa frase surge em algum momento: “ah, mas investir não é para mim. Só quem é rico consegue investir”. A recorrência desse pensamento é realmente alta e acredito que sua raiz esteja em vários fatores. Talvez o primeiro deles seja cultural mesmo. A maior parte de nós está acostumada a orçamentos justos, esticando o salário para durar o mês todo. Muitos têm dívidas e convivem com as dificuldades de um crédito muito caro. É uma realidade de escassez e não de abundância. Eu me lembro bem dos tempos de criança, quando o Plano Collor deixou o Brasil inteiro sem dinheiro.

O segundo fator está muito relacionado à quase inexistência de educação financeira. Para piorar, aqui ainda temos um limitante de gênero. Em geral, os homens sabem mais sobre finanças e transmitem seus conhecimentos mais aos meninos do que às meninas. Não temos um ensino formal sobre como lidar com o dinheiro. Deveria ser um conhecimento compartilhado logo na escola, mas não é. E isso não é só um problema brasileiro, mas mundial.

O terceiro fator é o tabu que temos em falar em dinheiro, que eu vejo como uma combinação dos pontos anteriores. A questão cultural somada à falta de educação financeira acentua essa vergonha que temos de perguntar o salário dos outros, de discutir sobre os investimentos mais rentáveis ou falar que um banco está cobrando muito mais taxas que o outro. Não falamos nem sobre como nos preparamos (ou não!) para o futuro.

É preciso derrubar esse mito de que investir é apenas para os ricos. Simplesmente não é. Os aportes no Tesouro Direto, por exemplo, começam em R$ 35. Com um pouco mais, cerca de R$ 100, você consegue aplicar em qualquer um dos títulos. Há pelo menos uma dezena de fundos com aportes mínimos iniciais de R$ 500. Ações e fundos imobiliários também a menos de R$ 100 a unidade. Dá para começar com pouco e juntar blocos maiores para acessar outros investimentos. E todos eles rendem, em médio e longo prazo, mais que a poupança. O que falta para os brasileiros é conhecimento.

Leia mais:

Como começar a investir

Como organizar seu orçamento: a regra do 50-30-20

Quanto custam os seus sonhos?

Educação financeira começa na infância – para meninas e meninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *