Por Renata Leal

Minha mãe sempre me conta como a mãe dela nunca deixava de ter “algum dinheiro guardado para emergências”. Mãe de cinco filhos, minha avó Sebastiana – que infelizmente morreu cedo, vítima de um ataque cardíaco –, tinha o que os especialistas chamam de reserva de emergência. Era o dinheiro para comprar um remédio, pagar uma despesa inesperada com as crianças. Não era uma vida fácil. Assim como uma parte considerável das mulheres brasileiras, minha avó era a chefe da família.

Ter uma reserva de emergência, ou reserva de oportunidade como alguns preferem chamar, nos dá tranquilidade para não entrar em dívidas a cada curva inesperada do caminho. A reserva é exatamente para aqueles momentos em que somos surpreendidas. Especialistas em finanças pessoais indicam que o melhor é ter o equivalente a três salários guardados. Costuma ser o suficiente para cobrir gastos emergenciais com saúde, algum problema de moradia, um acidente, uma demissão. Nos tempos atuais, com a taxa de desemprego ainda bem alta, eu aumentaria essa recomendação para seis salários, pois não anda fácil conseguir recolocação.

Para quem vai empreender, essa recomendação de uma reserva de emergência maior é ainda mais forte. Em geral, os negócios têm um tempo de maturação que pode exigir mais meses sem conseguir retirar um pró-labore (o salário dos empreendedores). Se você está pensando em abrir um negócio, tenha em mente que dificilmente seu salário será equivalente ao que você ganhava como CLT por um tempo razoável – por anos, eu diria.

A reserva de emergência vai sendo construída aos poucos, mas é importante ter uma meta de guardar dinheiro especificamente para ela. É um dinheiro que precisa de liquidez, ou seja, de pouco prazo para resgate. O ideal é que possa ser retirado do investimento de um dia para o outro. Tesouro Selic, CDBs de alta liquidez (buscando os que pagam 100% do CDI), fundos de renda fixa de alta liquidez são boas alternativas. Se você puder e quiser arriscar um pouco mais, há fundos multimercados com alta liquidez também.

Quando a reserva de emergência pode ser uma reserva de oportunidade? Quando você tem uma vida financeira mais estável e usa parte desse volume de dinheiro para fazer um bom investimento enquanto resgata outro investimento que não está rendendo tanto. Às vezes, o prazo de um investimento é curto – como quando um produto é oferecido por pouco tempo ou um fundo que está fechado abre uma janela de novos aportes – e você pode aproveitar para trocar momentaneamente a reserva de emergência para se dar bem nessa oportunidade.

Leia mais:

Meus primeiros passos com ações

3 destinos para o saque do seu FGTS

A árvore do seu dinheiro

Mulheres e jovens preferem o Tesouro Direto à Bolsa de Valores

Não sei por onde começar a guardar dinheiro

“Investir não é para mim. Investir é para os ricos”

Como começar a investir

Como organizar seu orçamento: a regra do 50-30-20

Quanto custam os seus sonhos?

Educação financeira começa na infância – para meninas e meninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *