Da Redação

Avanços e desafios enfrentados pelas mulheres no Brasil, no mundo e a disseminação global do termo “empoderamento feminino”. Direitos, empreendedorismo e independência financeira. Percepções sobre machismo e feminismo hoje. Esses foram os temas que permearam as discussões do seminário O Impacto das Mulheres – Onde chegamos e o que falta conquistar, promovido por Mulheres Ágeis em 23 de maio, no Campus São Paulo do Google.

O evento foi iniciado pelas fundadoras de Mulheres Ágeis, Renata Leal e Suzane G. Frutuoso, que apresentaram o projeto e os dados de uma pesquisa on-line realizada em agosto de 2016, com mais de 500 mulheres, sobre situações de machismo enfrentadas no ambiente profissional e as dificuldades para serem empreendedoras.

“A ideia é mensurar, de certa forma, todas as conquistas que as mulheres vêm alcançando, e em um período em que o termo empoderamento feminino ganhou muita força globalmente. Quase como um feminismo 2.0, uma nova fase daquilo que o feminismo bravamente começou décadas atrás. Mais que isso: que algumas mulheres iniciaram em situações pouco ou nada favoráveis. Como exemplo, as sufragistas que lutaram pelo direito ao voto no início do século 20”, disse Suzane, ao abrir o seminário.

Na sequência, Renata mostrou dados da pesquisa. “Percebemos que as mulheres sentem falta de ambientes de aprendizado. E ser presencial ainda é importante porque torna a troca de conhecimentos mais próxima, permite que umas se reconheçam nas histórias das outras.” Entre os números destacados: 72,62% acreditam na importância dos cursos voltados só para mulheres como ferramenta para desenvolvimento pessoal e profissional.

Para pensar os próximos passos dos movimentos femininos e feministas e dar um panorama do atual cenário, as organizadoras passaram a palavra às convidadas. Ana Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora (RME), foi a keynote speaker do evento, apresentando conclusões do W20 Summit 2017 Berlim, ocorrido no final de abril. Ela foi representante do Brasil entre as 20 delegações que discutiram e criaram um documento sobre o empoderamento econômico das mulheres para os próximos anos.

“Foi uma honra estar lá e ser parte do grupo que redigiu o documento com as metas que vão impactar positivamente a vida de milhares de mulheres e impulsionarão ações para alcançarmos o quanto antes a igualdade de gênero”, disse Ana ao portal Mulheres Ágeis. “Hoje, a previsão é que essa equidade só chegue em 120 anos. Não podemos esperar.”

Logo após a apresentação, Ana Fontes se uniu às demais convidadas para uma mesa-redonda sobre empoderamento feminino: Ana Lúcia Augusto, advogada especialista em direito de família, e a empreendedora Tania Gomes Luz, fundadora do e-commerce 33/34, de sapatos femininos.

A advogada fez uma retrospectiva dos direitos femininos conquistados nos últimos 30 anos, destacando, inclusive, como até pouco tempo atrás as mulheres eram consideradas incapazes pela justiça em uma série de aspectos. “E vivemos um período em que parte desses direitos vêm sendo questionados e ameaçados por grupos conservadores. Temos que ficar unidas e atentas.”

Já Tania contou como a marca que criou, 33/34, um e-commerce de sapatos para mulheres de pés pequenos, tem um papel importante na autoestima feminina. “Quando as mulheres colocam um sapato que faz com que se sintam bonitas, isso também é empoderador. Melhora a postura, aumenta a confiança para enfrentar uma série de questões do dia a dia”, diz ela, que se tornou referência de sucesso em empreendedorismo feminino e como CEO em um Brasil de ainda poucas mulheres em posições de liderança.

O Impacto das Mulheres – Onde chegamos e o que falta conquistar é um seminário que Mulheres Ágeis replicará tanto em outras cidades, quanto com edições temáticas em São Paulo, com entrada gratuita. O próximo seminário será em 16 de agosto, em Santos.

Fotos: Camilla Godoy – www.camilagodoyfotografia.com
Welcome coffee: Mulheres do Café – www.mulheresdocafe.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *