Por Renata Leal

Há cerca de duas semanas, tive a oportunidade de fazer uma palestra para mulheres que estão presas na Penitenciária Feminina da Capital, aqui em São Paulo. Fui a convite estudantes da Universidade de São Paulo que participam da ONG Enactus e estudam Direito. Elas realizam atividades de empreendedorismo com as mulheres, dando a elas conhecimento para buscar um trabalho autônomo quando saírem da prisão. E fui conversar com elas sobre dinheiro, tanto para dar noções de educação financeira quanto para ajudá-las a calcular quanto vale uma hora de trabalho, para quem possam incluir esse custo ao vender ou revender produtos e serviços.

E você, sabe calcular quanto vale uma hora do seu trabalho? A lógica é simples. Se você trabalha no regime com carteira assinada e cumpre uma jornada de trabalho mensal, pode dividir o valor líquido do seu salário (sem os impostos e descontos) pelo número de dias (em média 22) e depois pelo número de horas (em geral 8). Um exemplo para alguém que recebe R$ 2.500, já com os descontos, no mês:

R$ 2.500 / 22 = R$ 113,63 (por dia)

R$ 113,63 / 8 = R$ 14,20 (por hora)

Portanto, nesse caso uma hora de trabalho vale R$ 14,20.

Também é possível fazer a conta ao contrário, partindo do valor da hora de trabalho que você quer ganhar ao produzir um produto ou executar um serviço. Assim, se ao fazer, por exemplo, brigadeiros, você leva 1 hora para fazer e enrolar 50 unidades, esses R$ 14,20 precisam ser incluídos nos custos.

Foi ao tomar consciência dessa conta e do valor do trabalho que uma das mulheres lá na penitenciária, uma senhora boliviana, me disse que quando sair voltará a fazer suas gelatinas de mocotó e os chorizos (parecidos com uma linguiça) para vender. É assim que ela quer ajudar com a educação dos netos. Como ela costumava fazer esses produtos em casa para complementar a renda, nunca incluiu o custo do próprio trabalho no preço dos produtos.

 

Suas compras x sua hora de trabalho

Avaliar quanto custa um produto com o número de horas que você precisa trabalhar para comprá-lo é uma boa maneira de dizer a você mesma se aquilo está caro ou não, no seu ponto de vista. Vai comprar uma blusa de R$ 100? Dá quase 1 dia de trabalho. Caro ou barato? Você mesma pode responder. Ou aquele café no shopping, que custa fácil duas horas do seu trabalho? Caro? Um quilo de tomate? Toda vez que você se questionar na linha “puxa, eu trabalho quatro horas só para comprar isso?”, pode ser que você comece a dar mais valor ao próprio dinheiro.

 

Leia mais:

Aproveite bons preços para adiantar compras

Vai comprar aquela blusinha? Que tal esperar amanhã?

Cuidado ao emprestar dinheiro

3 destinos para o saque do seu FGTS

A árvore do seu dinheiro

Não sei por onde começar a guardar dinheiro

“Investir não é para mim. Investir é para os ricos”

Como começar a investir

Como organizar seu orçamento: a regra do 50-30-20

Quanto custam os seus sonhos?

Educação financeira começa na infância – para meninas e meninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *